Descubra como o open banking pode trazer mais autonomia para o consumidor e mais clientes para empresas financeiras

Open banking, ou banco aberto na tradução literal, é um conceito bastante simples: trata-se da abertura do leque de serviços financeiros ao consumidor para que ele tenha liberdade de levar suas informações financeiras à empresa que desejar. Para funcionar, todo o mercado financeiro deve adotar uma tecnologia padronizada, com APIs, facilitando a portabilidade das informações.

Com isso, seria possível que um banco ofertasse seus produtos e serviços financeiros a clientes que sejam correntistas de outro banco. Por exemplo, ainda que seu histórico de bom pagador esteja preso ao banco 1, o banco 2 poderia ter acesso a ele para te ofertar a melhor taxa de juros em um crédito.

Para tanto, as APIs precisam ser abertas para livre acesso das empresas e proporcionar a segurança que já existe nas instituições financeiras consolidadas. Será o cliente quem irá decidir se deseja compartilhar suas informações com outras instituições ou empresas, a fim de obter os serviços personalizados delas.

Uma pesquisa do EY, instituto da Ernst & Young Global Limited, mostrou que 53% das pessoas sentem-se confortáveis em ter os dados financeiros compartilhados com outras empresas para ter benefícios de serviços especializados.

Quer saber mais? Confira as vantagens do open banking para clientes e empresas:

Liberdade

Ainda há bastante burocracia no que diz respeito a instituições financeiras, mesmo para abrir e fechar contas. Muita gente acaba optando por aceitar serviços ruins de um banco por já ter um histórico de relacionamento com ele, o que facilita a tomada de crédito e outros benefícios.

Com o open banking, todos esses dados de relacionamento seriam migrados. Isso resultaria em melhor prestação de serviço para garantir a retenção do cliente por parte dos bancos. Para o cliente,  o open banking traz mais liberdade e reduz as burocracias dos processos.

Menos custos para os bancos

O banco não precisa abrir mão de desenvolver sua própria tecnologia para seus sistemas nem precisa compartilhar essa tecnologia com seus concorrentes. Basta que ele integre seus sistemas por meio de APIs. Essas, sim, são de menor custo e seriam compartilhadas com as instituições que o cliente permitir. Dessa forma, cortam-se gastos intermediários. Os processos também ficam mais rápidos.

Ambiente competitivo

Com o open banking, os bancos precisam sempre correr atrás de prestar o melhor serviço e oferecer o melhor produto a seus clientes. Caso não o façam, correm grandes riscos de perder o cliente para a concorrência.

Segurança de informações

Para que o sistema de open banking funcione, é preciso que o país crie leis e regras que o embasem. No Brasil, temos a LGPD, mas esse é apenas o primeiro passo. Hoje, o Banco Central já estuda formas de garantir uma infraestrutura segura e tornar o open banking realidade.

Ana Maria

Ana Maria

Responsável pelo conteúdo da Nextcode. Possui vivência na área da tecnologia e conhecimento sobre recursos humanos.

Leave a Reply