O onboarding digital da startup tem como objetivo prevenir o compartilhamento indevido de informações sensíveis de usuários

A digitalização e o avanço da tecnologia trouxeram muitas vantagens, mas também permitiram que os dados dos consumidores fossem captados sem muitas regras ou proteções. Para corrigir essa condição, entrou em vigor no Brasil a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A norma estabelece regras sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de informações pessoais do usuário (como nome, data de nascimento, endereço residencial, CPF, e-mail e telefone) do usuário, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e privacidade.

Para se adequar a esses novos tempos e ao mesmo tempo ampliar a proteção de dados de seus usuários, a B3, uma das principais empresas de infraestrutura de mercado financeiro no mundo, realizou algumas alterações nos seus sistemas. Uma delas foi feita em parceria com a Nextcode, que fornece tecnologias de verificação de identidade.

Fabrício Beltran, fundador e head de Inteligência Artificial da startup, explica que a lei permite que os usuários verifiquem as informações que estão armazenadas sobre eles na B3 – e solicitem a sua exclusão, se assim desejarem.

“A fim de evitar possíveis vazamentos nesse processo, criamos um portal exclusivo para a bolsa de valores oficial do Brasil e implementamos ferramentas para onboarding digital. O objetivo é verificar se a pessoa que está acessando é realmente quem ela diz ser”, aponta o executivo. “Isso é importante para que os dados não caiam em mãos erradas e até sejam vendidos no mercado”, acrescenta.

Segundo Beltran, ao fazer a solicitação de suas informações, o requerente, antes de receber o relatório, precisa passar por uma checagem completa. No primeiro momento, ele envia digitalmente seu documento, que pode ser CNH, RG, entre outros.

Em seguida, é feita a identificação. A imagem capturada é tratada e os dados são extraídos – nesse processo, que conta com soluções de OCR (reconhecimento ótico de caracteres), são validados os principais dados, como “Nome”, “CPF”, “Data de Nascimento” e “Nome da Mãe”.

As próximas etapas são o Background Check, que verifica a veracidade das informações em bureaus, bases públicas e outras fontes de dados, e o Facematch, que faz uma comparação biométrica entre a selfie tirada na hora pelo usuário e foto a recortada automaticamente do documento apresentado.

Tudo isso leva poucos segundos, segundo o fundador da Nextcode. E ele adianta que, em breve, deverá ser acrescida uma nova solução ao sistema, chamada de Liveness Detection, ou prova de vida. “Ela detecta expressões faciais, modelagem e formato de rosto para comprovar se a pessoa que está com a face no verificador é real e não se trata de uma imagem estática ou uma fraude.”

Este artigo foi veiculado com exclusividade no portal Época Negócios.

A Nextcode oferece soluções de prevenção a fraudes embarcadas em alta tecnologia para verificação de identidade com agilidade e precisão, análise 100% automatizada. Estamos apoiando as instituições em seus processos de validação cadastral, e acima de tudo, prezando pelo relacionamento com seus usuários, com o propósito de identificar o que é realmente genuíno. E o Onboarding Digital está em nosso DNA. Vem pro Time Nextcode!

Não deixe de conhecer nossas soluções

Fabricio Beltran

Fabricio Beltran

CTO da Nextcode e líder de desenvolvimento. Sempre antenado às mudanças tecnológicas no que se refere à Inteligência Artificial, Onboarding Digital e Processos de Segurança de Dados.

Leave a Reply