Somente no primeiro bimestre, o número de cibercrimes chegou a 1,9 milhão, aumentando o alerta de práticas de segurança digital

O número de ataques fraudulentos cresce assustadoramente ano após ano. Com o advento da tecnologia, os cibercriminosos desenvolvem métodos cada vez mais elaborados de fraudes, deixando milhares de pessoas e empresas vulneráveis.

Em 2020, o avanço da pandemia da Covid-19 modificou toda a estrutura social e corporativa – intensificando os serviços online a fim de aumentar o distanciamento social e, por conseguinte, reduzir a circulação do vírus. Com isso, no Brasil, o número de operações suspeitas teve um crescimento alarmante. De acordo com o Mapa da Fraude de 2020, os segmentos de e-commerce, vendas diretas, telecomunicações e mercado financeiro sofreram 403 tentativas de fraude por hora, o que representa sete tentativas por minuto.

Em reais, foram R$ 3,6 bilhões em golpes no ano de 2020. Totalizando 371.216 tentativas de fraudes, houve um salto de 276,08%, se comparado a 2019, quando foram identificadas 98.516 operações suspeitas. Além disso, o Mapa apontou que os homens (38,55%) foram mais vítimas do que mulheres (26,84%) em 2020, e que a faixa etária de pessoas de até 25 anos foi a que mais sofreu com os golpes.

Números e resultados
de 2021

Segundo o Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian, no primeiro semestre deste ano, o número de ataques fraudulentos contra brasileiros chegou a marca de 1,9 milhão, correspondendo a um aumento de 15,6% em relação ao mesmo período de 2020. O levantamento apontou, ainda, que o setor que teve maior crescimento no comparativo entre semestres deste ano e 2020 foi o varejo, com alta de 89,5%.

Diferente do ano passado, mais mulheres foram vítimas, 51% contra 49% de homens. A idade é outro fator diferente se comparado a 2020, visto que a faixa etária é de 39 anos, sendo que mais da metade das vítimas (53,6%) tem ao menos o ensino médio completo.

Na área financeira, o ranking das fraudes mais populares, de acordo com a Confederação Nacional de Lojistas (CNDL), junto ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), apresenta:

  • Não recebimento de um produto comprado – 41%
  • Produto/serviço diferente das informações especificadas – 41%
  • Clonagem de cartão – 24%
  • Fornecimento de dados pessoais e de dinheiro por meio de ligações, SMS e mensagens via WhatsApp – 17%
  • Pagamento de boletos falsificados ou adulterados – 15%

No ranking, há, ainda, esquemas de pirâmide financeira, terceiros utilizando dados pessoais para realizar compras, pagamento de serviços que não foram realizados, transações financeiras sem a autorização do titular, e assim por diante.

É necessário
departamentos antifraude

Contudo, é importante entender que lidar com esse cenário desafiador exige dos departamentos antifraude novas técnicas e tecnologias que possam combater as fraudes que se tornam cada vez mais sofisticadas. Deste modo, o primeiro passo para que as empresas evitem prejuízos financeiros e de imagem é contar com um sistema antifraude robusto e eficaz. Este investimento é uma medida crucial para se precaver, não pode ser considerado um custo adicional ou secundário.

Uma vez que a companhia tarda no desenvolvimento de um setor antifraude, ela está cada vez mais vulnerável a possíveis ataques.

E quando falamos de departamentos antifraude, falamos de Nextcode. Oferecemos soluções de prevenção a fraudes embarcadas em alta tecnologia para verificação de identidade com agilidade e precisão, análise 100% automatizada. Estamos apoiando as instituições em seus processos de validação cadastral, e acima de tudo, prezando pelo relacionamento com seus usuários, com o propósito de identificar o que é realmente genuíno. E o Onboarding Digital está em nosso DNA. Vem pro Time Nextcode!

Não deixe de conhecer nossas soluções

Marcelo Longo

Marcelo Longo

Head de Marketing na Nextcode. Levando aos clientes as melhores soluções em verificação digital para identificar o que é realmente genuíno.

Leave a Reply